Governança Corporativa: gestão que cria valor.

Governança Corporativa: gestão que cria valor.

– Márcio Gonçalves, Diretor Fundador da Criavalor.

 

Um dos pilares fundamentais da Criavalor é a Governança Corporativa. Neste artigo vamos apresentar o que é governança de forma geral, as particularidades da Governança Corporativa (GC) e como nossa empresa atua nessa área. Mais do que tudo, queremos que o conteúdo aqui reunido sirva para contribuir de forma elucidativa para o entendimento deste tema tão importante.

 

Primeiro, é preciso que conceituemos o que é governança. No Dicionário Michaelis, encontramos: “ato ou processo de governar; governo, governação”. A raiz da palavra governança vem do vocábulo grego “kuberna” que significa “direção, condução”. Assim, a governança pode ser entendida como “dirigir um grupo visando o alcance de objetivos coletivos”.

 

O conceito de Governança Corporativa:

Em seu site, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) – organização sem fins lucrativos fundada em 1995 e referência nacional e internacional no assunto – nos traz que Governança Corporativa é o sistema pelo qual as empresas e demais organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre sócios, conselho de administração, diretoria, órgãos de fiscalização e controle e demais partes interessadas.

 

Logo, nota-se sua complexidade. É comum falar-se muito de conselho administrativo, conselho de família, conselhos disso e daquilo, que nada mais são do que grupos temáticos que precisam e devem conversar entre si para que o negócio como um todo siga na direção correta. Aqui cabe uma analogia: em uma família que planeja viajar nas próximas férias, todos os integrantes (pai, mãe, filhos mais velhos e mais novos) precisam ser ouvidos e terem espaço de fala para que se chegue a uma decisão comum do lugar para onde irão, a partir da qual todos se sintam inseridos e valorizados.

 

Para Sandra Guerra, uma das pioneiras na introdução da aplicação da GC no Brasil, é preciso adotar práticas com consciência e consistência, que visem, sim, objetivos em curto e médio prazo, mas que perdurem em longo prazo. Para a estudiosa, a Governança Corporativa do “parecer ser”, adotada apenas por obrigação como mero cumprimento de regras, é incapaz de gerar valor sustentável, mas é capaz – e muito – até mesmo de destruir o valor. Logo, percebe-se claramente que a GC precisa ser olhada com atenção quando o desejo é pela “saúde” e longevidade de uma empresa.

 

Ainda de acordo com o IBGC, a Governança Corporativa é balizada por quatro princípios: a equidade de informações, a transparência, a prestação de contas (o acesso a números e informações coerentes que representem a realidade do negócio) e a responsabilidade corporativa (social, cultural, econômica, etc.), enquanto parte integrante da sociedade e, portanto, agente de transformação.

 

Governança Corporativa: uma ferramenta para todos.

Engana-se quem pensa que Governança Corporativa não se aplica à realidade do pequeno e médio negócio familiares, que hoje dominam o cenário brasileiro, um dos focos de trabalho da Criavalor. Ou em startups. Ela é ainda mais importante nesses casos porque começar um empreendimento com uma base sólida, com certeza, é parte fundamental de um futuro de sucesso. Independente do tamanho, precisamos ter ferramentas e estruturas que norteiem os quatro princípios da governança. Afinal, é sempre bom lembrar que a maioria dos grandes negócios começou em uma pequena sala.

 

Percebe-se, logo, que quando o assunto é GC, os desafios são diversos. Para os autores Adriana Andrade e José Rossetti, as questões cruciais da governança em nosso país são a concentração acionária, a sobreposição propriedade-gestão, a fraca proteção aos minoritários e a expressão ainda diminuta do mercado de capitais. Sendo assim, consultores externos normalmente conseguem enxergar a empresa como um todo (fato mais difícil para quem vive o dia a dia dentro da organização) e propor os melhores caminhos a se tomar.

 

Nós da Criavalor, enquanto equipe multidisciplinar de profissionais com mais de 15 anos de atuação em projetos para os setores público e privado, como é o caso do consultor Márcio Gonçalves, temos como propósito alcançar resultados. Para atingir tal objetivo, quando se trata da Gestão da Governança Corporativa, utilizamos o seguinte do método: gestão das rotinas com foco na longevidade do negócio (estratégia, operacional e gerencial) e sistemática de acompanhamento (acordos e políticas). Para tanto, oferecemos ensino à distância, palestras, treinamentos, mentorias, consultorias e imersões.

 

Não resta dúvida de que construir uma empresa a partir de uma Governança Corporativa consistente e verdadeira é crucial para o seu presente e futuro. Lembrando sempre que o fator humano é um elemento primordial para uma boa governança. Nós, da Criavalor, estamos prontos para lhe ajudar. Porque, acima de tudo, somos seres humanos que gostamos de ajudar outros seres humanos. E, assim, fazer crescer negócios. Entre em contato conosco para mais informações e saber mais sobre nossos serviços. Será um prazer atendê-lo e atendê-la!

 

Referências:

 

ANDRADE, Adriana; ROSSETTI, José. Governança Corporativa: Fundamentos, Desenvolvimento e Tendências. São Paulo: Atlas, 2014. 608 p.

 

GUERRA, Sandra. A Caixa-Preta da Governança. Rio de Janeiro: Best Business, 2017. 376 p.

 

IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Disponível em: https://www.ibgc.org.br/.

 

MICHAELIS. Governança. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/governan%C3%A7a/.

 

SILVA, Pâmella. Governança Corporativa para Pequenas e Médias Empresas. eBook Kindle. 27 p.

Leave a comment

catorze − 13 =

Converse online pelo WhatsApp

Fale pelo WhatsApp